terça-feira, 27 de novembro de 2012

DIAS NUBLADOS

São esses dias assim que me deixam deprimida: Nublados, parados, frios... parecem até uma extensão de mim mesma, como eu estou por dentro.
Pensando em tudo sem querer pensar em nada, pensando em todos sem querer pensar em ninguém!
Querendo sair desses limites que prendem as asas de quem tem uma alma livre e um coração apegado ao que nem ele mesmo sabe...
O medo da solidão persegue de mãos dadas com o medo da decepção... Grandes inimigos que não se separam, quem não vivem um sem o outro!
Aprendendo a confiar desconfiando, a acreditar duvidando, a amar sem me apegar, a querer ser livre estando ao lado de outra pessoa. Aprendendo a ficar apenas observando para ver até que ponto o outro vai,  para ver até onde o outro faz sentido, a observar o que separa as palavras das atitudes, pagar pra ver e conviver com as pequenas decepções rotineiras quando as atitudes não confirmam as palavras!
Agora você me pergunta: "Porque tudo isso?" Ora... quando já não se tem mais nada a perder, quando já não se duvida mais de nada, quando já não se espera mais nenhuma surpresa boa, quando o seu coração já foi despedaçado de todas as formas e ainda continua batendo... o que vier é lucro!
Já não vivo mais de ilusões... Isso não faz mais parte da minha vida! Minhas ilusões já acabaram ao longo dos meus vinte e poucos anos... E quer saber? melhor assim...
O sofrimento agora é por aquilo que realmente vale a pena sofrer.
Sei que tudo isso pode não fazer o menor sentido... mas nem eu mesma faço, então tá tudo bem!

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

SOMENTE SER

Esses dias eu tava aqui, pensando em como cada um dos meus quase amores e romances por aí contribuíram pra me transformar na pessoa que eu sou. 
Tentando me lembrar em que ponto eu deixei de ser a menina com medo, agarrada no ursinho, no canto do quarto. Em que momento eu me impus sobre o mundo, pra não ter que aceitar nenhum tipo de imposição. 
Aquela historinha clichê de que tudo, no fim, vale a pena e nada é por acaso, sabe? Funciona demais! Com o tempo a gente vai vendo... 
Lembro que com um carinha eu aprendi que pessoas não são brinquedos, senti e aprendi o peso das palavras e o estrago que elas podem fazer na vida de alguém. Teve outro que me ensinou a ser eu, assim, do jeitinho que eu sou. Assim, passando e derrubando tudo, com crises, paranoias e sem maquiagem, pacote completo. Aprendi, com algum deles, a desconfiar também. Andar olhando pro chão, ouvir lendo o olhar. Gente que passou pela minha vida como um vento e fez eu crescer mais do que pessoas que conheço há décadas. 
Quando tem que ser, é, não é? A gente se esbarra na padaria, na praia, na balada, mas se esbarra, incrível. 
E você, que foi minha sina por tantos anos, me ensinou o que, afinal? Fiz uma lista, na hora. Logo pensei em sofrer, essa coisa de me acomodar com a dor. Mas você foi além disso! 
Pensei em ser forte, sorrir de canto a canto, morta por dentro. Mas não era bem isso, ainda... Me ensinou a acreditar e esperar quase nada, a ser mais paciente e menos tolerante, só que mais que isso: Você me ensinou a ser sozinha. Injetou desapego e essa indiferença com cara de cansaço pelas minhas veias, dia após dia. 
Me ensinou a ser só e essa, sinceramente, eu fico te devendo pro resto da vida.


terça-feira, 20 de novembro de 2012

FALSO BRILHANTE




Há o condicionamento de que amor mesmo, de verdade, é gastar metade do salário para a esquadrilha da fumaça assinar o nome da namorada pelos céus de Porto Alegre. 
Temos uma noção de que amor mesmo, de verdade, é exibicionista. Depende de surpresas públicas de afeto como serenata na janela, carro de som, anúncios na TV, outdoors com pedido de casamento. 
Mulheres e homens se desesperam por um amor público, encantado, de estádio cheio, e cobram provas mirabolantes de seus parceiros. Reclamam da rotina, da previsibilidade, e exigem declarações barulhentas para despertar a inveja do próximo. 
O amor espalhafatoso recebe a fama, mas o amor contido é o mais profundo. 
Ao procurar o amor empresarial, desprezamos o amor funcionário público, que atende às ligações e escreve nossos memorandos.
Ao perseguir o amor de cinema, desdenhamos o amor de teatro, de quem encena a peça todo dia ao nosso lado, sempre com uma interpretação nova a partir das falas iguais.
Ao cobiçar o amor sensual de lareira e restaurante, apagamos a delícia de comer direto nas panelas, sem pratos, sem medo do garçom.
Ao perseguir a aventura, negamos a permanência.
Preocupados em ser reconhecidos mais do que amar, esquecemos a verdade pessoal e despojada do nosso relacionamento. Recusamos o amor constante, o amor cúmplice.
Não valorizamos a passionalidade silenciosa, a passionalidade humilde, a passionalidade generosa, a passionalidade tímida, a passionalidade artesanal.
O passional pode ser discreto na aparência e prático na ternura.
O amor mais contundente é o que não precisa ser visto para existir. E continuará sendo feito apesar de não ser reparado.
O amor real é secreto. É conservar um pouco de amor platônico dentro do amor correspondido. É reservar as gavetas do armário mais acessíveis para as roupas dela, é deixar que sua mulher tome a última fatia da pizza que você mais gosta, é separar as roupas de noite para não acordá-la de manhã. E nunca falar que isso aconteceu. E não jogar na cara qualquer ação. E não se vangloriar das próprias delicadezas.
Buscá-la no trabalho é o equivalente a oferecer um par de brilhantes. Esperá-la com comida pronta é o equivalente a acolhê-la com um buquê de rosas vermelhas.
São demonstrações sutis, que não dá para contar para os outros, mas que contam muito na hora de acordar para enfrentar a vida.

Fabrício Carpinejar

ELE É CONTIGO!

Quando tudo se torna difícil, não se desespere... 
Lembre-se que ainda há uma mão estendida à você, é só agarrá-la e não soltá-la jamais!
Deus te fortalece, Ele é contigo! 




segunda-feira, 19 de novembro de 2012

A IDADE DO CÉU!

Como eu amo essa música... Gosto de ouvir e cantar em qualquer hora... 
Ela me acalma, me traz paz, me faz refletir! 
#Recomendo!!!



♫ "Calma!
Tudo está em calma
Deixe que o beijo dure
Deixe que o tempo cure..." ♫


"Nada é para sempre, dizemos... Mas há momentos que parecem ficar suspensos, pairando sobre o fluir inexorável do tempo."

domingo, 18 de novembro de 2012

DEVANEIOS...




Se preciso for, lave seu coração.
Deixe a lágrima rolar... Porque não?
Nem tudo é como a gente quer... Mas tudo é passageiro.
Não acumule a dor que te machuca, nem se acostume com ela...
Não guarde resíduos do que magoou seu coração.
Lave, alveje, coloque no varal. Deixe secar ao sol. 
Depois passe... E deixe que passe... 
Siga em frente...
De alma limpa e coração lavado.



quinta-feira, 15 de novembro de 2012